A pedra de Drummond

No meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
e eu todo bobinho
não desviei.

Tropecei e caí de cara no chão
Continuei bobo,
mas com uma ferida no coração
a ferida não quer sarar,
permanentemente insiste em sangrar.

O que há de errado em mim?
Se eu desviasse seria frouxo.
Mas se eu pisasse em cima seria tolo.

De um jeito ou de outro a pedra iria me atingir...

No meio do caminho havia uma menina
Tinha uma menina no meio do caminho,
e eu todo bobinho
olhei-a nos olhos.

Me apaixonei e embarquei nessa paixão
Continuei bobo,
mas com uma ferida no coração,
a ferida não quer sarar,
permanentemente insiste em sangrar.


O que há de errado em mim?
Se eu desviasse seria frouxo.
Mas se eu não percebesse a presença dela seria tolo.

De um jeito ou de outro eu iria me apaixonar por ela.

2 Comentários:

Claudio Chamun disse...

Não adianta querer fugir, a paixão vem e toma conta sem a gente querer.

Rodrigo Ferreira disse...

Me apaixonei por essa poesia quando ouvi e li eu amei demais.

rodrigobandasoficial.blogspot.com

Postar um comentário

Obrigado por Comentar

 

Brendo Vieira © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates